Leituras #10 - Finders Keepers - Stephen King

12/24/2017


Quem inventou o provérbio "Nunca devemos voltar aos lugares onde fomos felizes" com certeza nunca teve um autor preferido.  A partir do momento em que acrescentamos um novo autor à nossa lista de favoritos tornamo-nos inconscientemente num buraco negro sob a forma humana, prestes a sugar tudo o que o autor escreve, desde os seus best-seller aos comentários políticos que escreve no Twitter.

Como mencionei na minha review do livro "From a Buick 8", Stephen King não tem por hábito publicar livros com uma qualidade consistente. "The Green Mile" ou "The Shining" são adorados por muitos leitores mas mesmo os fãs mais fervorosos de Stephen King torcem o nariz quando lêem coisas como "Dreamcatcher". E mesmo outros livros considerados bons, como o "It", pecam pelos seus finais minimamente estranhos que só não chegam a estragar a história porque o resto é demasiado bom.

Em qualquer um dos casos é para mim sempre muito prazeroso voltar à escrita e à criatividade do Stephen King. Por isso mesmo tive de escolher um livro dele para a categoria "Livro que te possa trazer conforto" da Maratona Literária Outono-Inverno!

Resultado de imagem para stephen king finders keepers 


Ficha do Goodreads AQUI

Sinopse
'Acorda, génio!'
 O génio é John Rothstein, um autor icónico que criou um personagem famoso, Jimmy Gold, mas que não publica um novo livro há décadas. Morris Bellamy está furioso, não só porque Rothstein deixou de produzir livros mas também porque o não-conformista Jimmy Gold se vendeu para uma carreira na publicidade. Morris mata Rothstein e esvazia o seu cofre, com dinheiro sim, mas o verdadeiro tesouro é um conjunto de cadernos que contêm, pelo menos, mais um romance de Jimmy Gold.

Morris esconde o dinheiro e os cadernos mas, entretanto, é enviado para a cadeira por outro crime. Décadas depois, um rapaz chamado Peter Saubers encontra o tesouro e, agora, é Peter e a sua família que Bill Hodges, Holly Gibney e Jerome Robinson têm de resgatar do vingativo e perigoso Morris quando este é libertado da prisão, após 35 anos. 

Pela sinopse apercebemo-nos de que este não é um típico livro do Stephen King uma vez que não envolve nenhum clima de terror nem sequer ocorrências sobrenaturais. E sim, é verdade que nem sempre podemos tirar essas conclusões da sinopse dos livros dele, mas aqui têm a minha palavra: não há monstros nem demónios nem espíritos malignos do Além envolvidos nesta história.

Fiquei um bocado preocupada quando me apercebi que este livro é, na verdade, a segunda parte de uma trilogia. E sim, é verdade que eu poderia ter feito um pouco de pesquisa antes de comprar o livro, mas caramba, o raio do livro consegue não ter nenhuma indicação de que é uma sequela nem na capa nem na contracapa! Give me a hint, guys!

Sabendo isto, claro que recomendo que comecem pelo primeiro livro da 'Trilogia Bill Hodges', Mr. Mercedes, já publicado em Portugal pela Bertrand Editora, uma vez que "Finders Keepers" tem spoilers.
Se não forem do tipo de pessoa que se preocupa (muito) com continuidades de história, não se preocupem; "Finders Keepers" funciona muito bem como um livro stand-alone. É assim como um episódio de CSI: há sempre um mistério que começa e acaba e, lá pelo meio, surgem umas histórias paralelas com os personagens não interessam a ninguém.

Resultado de imagem para bill hodges trilogy 

Na verdade, chega até a ser um livro meio estranho porque o trio que faz, de facto, parte da trilogia - Bill Hodges, Holly Gibney e Jerome Robinson - só é introduzido a cerca de meio do livro. Para quem lê a sinopse de antemão, como eu, fica constantemente a perguntar-se quem diabo são aquelas personagens que aparentemente vão ser tão importantes para a história mas que nunca mais se dignam a aparecer!
O mais curioso é que li algumas reviews no Goodreads que consideravam este livro superior ao primeiro exactamente por ter menos história do trio. Faz-me lembrar um bocado dos livros da série 'Game of Thrones'; toda a gente sabe que a Daenerys é uma das personagens principais na história mas ninguém tem realmente muita paciência para aquelas partes em que ela passa meses e meses na Baía dos Escravos, a arranjar porcaria com os locais e a fechar os dragões em caves.

A história é contada num formato do qual eu gosto particularmente que é a alternância entre o passado e o presente. Apesar de contado na terceira pessoa, temos acesso aos pensamentos dos personagens principais; Morris, que assassina o seu escritor preferido e vai para a cadeia em 1978, e Peter, o adolescente que em 2009 encontra o tesouro que Morris ainda teve tempo de esconder antes de ser preso com os cadernos do falecido Rothstein e umas largas centenas de dólares. 

E achavam vocês que eram grandes fãs de uma celebridade qualquer. Quantos de vós estariam dispostos a preparar um assalto, no meio da noite, à casa dessa celebridade, esvaziar-lhe o cofre, apontar-lhe uma arma e ainda obrigá-la a rectificar um suposto erro que não é de todo da vossa responsabilidade classificar como erro? E matá-la quando ela se recusa a dar a devida importância ao assunto! Este é o verdadeiro fanboy, este é o nosso Morris. 



Não contente com esse feito, Morris ainda consegue passar 35 anos na cadeia a ser maltratado, humilhado e sodomizado sem nunca perder de vista o seu objectivo na vida: ler a porcaria dos cadernos do Rothstein e conhecer o destino final do seu personagem preferido.
Lendo isto assim de repente, parece uma grande banhada. E sim, é verdade que a motivação do gajo não é dos aspectos mais convincentes do livro... O Stephen King bem tenta acrescentar um bocado de história no passado, introduzindo um pai desaparecido, uma mãe ausente e um pequeno e problemático Morris que busca conforto nos livros do seu herói, mas continua a ser rebuscado
Não seria justo compará-lo com a Annie do 'Misery' pois essa pretende *apenas* controlar o destino da sua personagem preferida enquanto que Morris parece que acredita que Jimmy Gold é um gajo real que foi traído pelo seu criador. É mais fácil considerarmos que é só um doente mental e pronto.

É interessante ir acompanhando o progresso do Morris mas é ainda melhor seguir a história do Peter. Bom miúdo e com a cabeça no sítio, Peter também cedeu aos encantos da trilogia Jimmy Gold, mas de maneira sã. É certo que algumas das suas motivações nos possam parecer também meio estranhas  ('epá, vou arranjar maneira de me meter aqui em esquemas manhosos e possíveis sarilhos mas é tudo por um bem maior, a minha irmã tem mesmo de ir para aquele colégio particular!'), mas trata-se apenas de um miúdo; miúdos não conhecem muito do mundo como ele é de facto, o que os leva a tomar decisões demasiado inocentes. Dá para compreender e pactuar.

Os três personagens que de facto fazem parte da trilogia foram para mim a parte mais fraca do livro. Não que fossem horríveis ou aborrecidos, mas por caírem do céu no meio da história, sem grandes preâmbulos. Fica esquisito para quem lê o livro como um stand-alone, como eu, mas também é esquisito para quem vem de ler o Mr. Mercedes. Como já mencionei, eles só aparecem depois de metade do livro! E parece-me a mim que quando estamos a ler uma série estamos à espera que os personagens apareçam no raio dos livros com algum destaque! 

Para além disso, até à altura em que eles aparecem, já estamos mais que embrenhados no arco do Morris e do Peter. Queremos é conhecer o desfecho da história deles, não queremos ser apresentados a mais random people a ter de descobrir o que é que os outros andam a tramar, quando nós, como leitores, já sabemos porque lemos tudo até ali. I mean, go away!

http://mrwgifs.com/wp-content/uploads/2013/08/Gordon-Ramsay-Needs-You-Get-Out-Of-His-Kitchen-Reaction-Gif.gif 

De forma geral, 'Finders Keepers' é um livro meh. Aconselho sempre a lerem séries do primeiro para o último volume mas aviso desde já que este é um livro fraco em termos de continuação. O último capítulo deixa no ar alguns possíveis desenvolvimentos interessantes para a próxima história mas o resto do livro pouco faz para avançar o enredo da história original de Mr. Mercedes. Poderá ser uma grande decepção nesse aspecto.

Para os fãs dos clássicos de horror de Stephen King, este livro ficará muito aquém. Foi um livro que gostei muito de ler, daí as 4 estrelas, mas tenho noção que é uma história volátil que pouco acrescentou à minha vida e à minha experiência literária. Foi um bom entretenimento e boa escrita é sempre bem-vinda. Não é dos melhores que já escreveu mas também não é, com certeza, dos piores

You Might Also Like

0 comentários

Já me fartei de falar, agora é a vossa vez! Comentários são ~sempre~ bem-vindos!